Carlos Eduardo Paiffer Esteves

Psicólogo / Psicanalista

CRP:3323-6ª Região SP

Formado em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, possui especialização em Psicanálise pelo Instituto de Psicanálise do Rio de Janeiro e Centro de Estudos de Psicanálise de São José dos Campos. Realiza atendimento psicanalítico em consultório particular na cidade de São José dos Campos.

"Somos feitos de carne, mas temos de viver como se fôssemos de ferro".

Freud

Formação

• Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro;
• Instituto de Psicanálise do Rio de Janeiro;
• Centro de Estudos de Psicanálise de São José dos Campos/SP.

Aperfeiçoamento & Experiência

• Curso de Psicopatologia do Instituto de Psicanalise do Rio de Janeiro;
• Curso de Sexualidade do Instituto H Ellis em São Paulo;
• Chefe do departamento de psicologia da companhia aérea Varig, durante 05 anos.

Análise & Supervisão

Análise pessoal, de 1995 a 2015, com Dr. Wagner Francisco Vidille Psicanalista Didata da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (SBPSP);

Grupo de estudo e supervisão individual, desde 2011, com Dra Rahel Bòraks, Psicanalista Didata da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (SBPSP);

Supervisão individual, de 2000 a 2005, com Dra. Alice Maria da Silva Bittencourt da Sociedade Brasileira de Psicanálise do Rio de Janeiro (SBPRJ).

O Consultório

  • Consultório próprio e exclusivo para consultas;
  • Sala de espera privativa;
  • Estacionamento privativo.

Localização

  • Rua Professor Roberval Fróes, 415 - Jd. Esplanada II - São José dos Campos - SP

Atendimento On-line

  • Atendimento via Skype

Ansiedade

É um estado emocional natural de inquietação/preocupação. É completamente normal o sentimento de querer antecipar o futuro para evitar perigos ou tentar controlar danos, o problema fica caracterizado quando essa ansiedade começa a causar muito sofrimento com a pessoa se preocupando somente com o futuro e não vivendo o presente. A ansiedade pode provocar sintomas psicossomáticos graves como gastrite, úlcera gástrica/duodenal, enxaquecas, etc.Quando isto ocorre é necessário intervir com sessões de psicanálise.

FOBIA

É um medo persistente e irracional com fortes manifestações físicas de um determinado tipo de objeto, animal, atividade ou situação que represente pouco ou nenhum perigo, como por exemplo, medo de sangue, injeções e outros procedimentos médicos; alguns animais como cobra e cachorro, espaços pequenos e fechados, voar de avião, lugares altos, etc. Em geral, o paciente fóbico reconhece que seu medo não é real e sim irracional, mas sem controle, sente-se impulsionado a evitar o contato com o objeto fóbico, quando esta situação começa a interferir na vida da pessoa é necessário tratar com sessões de psicanálise.

depressão

Todo mundo uma vez ou outra na vida se sente deprimido ou triste. É uma reação natural à perda, aos desafios da vida e à baixa autoestima. Mas, às vezes, o sentimento de tristeza se torna intenso, dura longos períodos e retira a pessoa da vida normal. A depressão é o mais comum dos transtornos mentais, mas é uma doença tratável com sessões de psicanalise e eventualmente medicamentos.

Impotência Sexual

A impotência sexual masculina, também conhecida como disfunção erétil, é a incapacidade de se obter ou manter uma ereção adequada para a prática da relação sexual. Não deve ser confundida com a falta ou diminuição no “apetite sexual”, nem como dificuldade em ejacular ou em atingir o orgasmo. Na maioria dos casos, a disfunção erétil pode ser tratada, o tipo de tratamento depende da sua causa e do estilo de vida do paciente, quando o indivíduo apresenta ereções durante o sono ou pela manhã, ao acordar, a impotência pode ser causada por problemas psicológicos e o tratamento está na psicanálise.

Síndrome do Pânico

O ar parece faltar, o coração fica acelerado, o suor empapa a roupa, a boca fica seca, estes são sintomas de pânico, porém esta reação é normal quando existe uma situação que justifique o seu surgimento, como estar em qualquer situação real com eminente perigo de morte. Quando não existe esta situação real de perigo e estes sintomas surgem estamos diante de uma crise de síndrome do pânico, que além daqueles sintomas provoca um mal-estar geral, acompanhados pela sensação de que algo terrível irá acontecer e que pode morrer ou enlouquecer nos próximos minutos. Esse transtorno é causado pela chamada ansiedade patológica cuja preocupação culmina nas crises, e a pessoa fica ainda mais ansiosa por não saber quando a próxima irá acontecer, uma vez que ela não tem controle sobre estas crises.

É claro que um único episódio de crise de ansiedade não caracteriza a síndrome do pânico, mas crises repetidas levam ao desenvolvimento do transtorno. Felizmente, este transtorno tem tratamento e, quanto mais precoce o diagnóstico, maiores são as chances de recuperação. Cada caso é especial, mas geralmente a pessoa é tratada com sessões de psicanálise e medicamentos.

Ejaculação Precoce

Considera-se precoce a ejaculação que ocorre logo após a penetração ou até mesmo antes, sem que o homem tenha controle desse esse evento e que essa rapidez deixe o casal insatisfeito. A principal causa da ejaculação precoce é uma maior ansiedade, embora parte dos indivíduos consiga controlá-la durante o ato sexual, outros não conseguem e acabam apresentando uma ejaculação precoce. Quanto mais repetidas forem essas ejaculações, mais ansiosos eles ficam, mais adrenalina produzem e mais rápido ejaculam. Em alguns casos, a ansiedade é tanta que acabam desenvolvendo algum tipo de disfunção erétil. Para caracterizar o distúrbio, é preciso que o episódio se repita com frequência e o homem não consiga satisfazer a parceira. Em certos casos, o descompasso é provocado pelo fato da mulher necessitar de mais tempo para atingir o orgasmo. Existem várias técnicas para diminuir a sensibilidade no homem e consequentemente a ejaculação precoce, porém todas elas devem ser acompanhadas de sessões de psicanálise para ajudar no controle da ansiedade.

Entenda a diferença entre...

O termo “psi”, bastante utilizado pelas pessoas, muitas vezes pode ser permeado de confusão quanto aos significados, principalmente quando se refere aos profissionais indicados por este termo: psiquiatra, psicólogo ou psicanalista, assim sendo, colocamos as definições de forma simplificada de cada uma delas.

O psiquiatra é um profissional da medicina que após ter concluído sua formação, opta pela especialização em psiquiatria. Esta é realizada em dois ou três anos e abrange estudos em neurologia, psicofarmacologia e treinamento específico para diferentes modalidades de atendimento, tendo por objetivo lidar com a prevenção, atendimento, diagnóstico, tratamento e reabilitação das diferentes formas de sofrimentos mentais, sejam elas de cunho orgânico ou funcional com manifestações psicológicas severas. Ele é apto a prescrever medicamentos, habilidade não designada ao psicólogo. Na maioria dos casos, a psicoterapia e o tratamento psiquiátrico devem ser aliados.

O psicólogo tem formação superior em psicologia. O curso tem duração de quatro anos para o bacharelado e licenciatura e cinco anos para obtenção do título de psicólogo. No decorrer do curso a teoria é complementada por estágios supervisionados que habilitam o psicólogo a realizar psicodiagnóstico, psicoterapia, orientação, entre outras. Pode atuar no campo da psicologia clínica, escolar, social, do trabalho, entre outras.

A psicologia teve seu início na Filosofia, grandes filosofos da antiguidade como Sócrates, Platão e Aristóteles deram o pontapé inicial na instigante investigação da alma humana.

Hoje, podemos definir de forma resumida que a psicologia é a ciência que estuda os processos mentais e o comportamento do ser humano através da descrição de suas sensações, emoções, pensamentos e percepções e suas interações com o ambiente físico em que vive e a sociedade na qual convive reduzindo seu sofrimento, ajudando-a a lidar mais eficazmente com os problemas comportamentais e emocionais. O objetivo final é a saúde mental do indivíduo para que este possa ter uma boa qualidade de vida.

O psicanalista é o profissional que possui uma formação em psicanálise, método terapêutico criado pelo médico austríaco Sigmund Freud em 1890. Segundo a instituição formadora, o psicanalista pode ter formação em diferentes áreas de ensino superior como psicologia e psiquiatria. A formação do psicanalista deverá ser realizada através de um curso de psicanálise de no mínimo 5 anos por uma instituição reconhecida, bem como análise individual e supervisão com outro profissional psicanalista.
Freud através de suas conversas com pacientes acreditava que os problemas destes originavam-se de uma não aceitação de determinados acontecimentos em suas vidas e com isso reprimiam seus desejos no inconsciente, nascendo daí uma fantasia. A psicanálise consiste na interpretação destes conteúdos inconscientes de palavras, ações e produções imaginárias de uma pessoa, baseada nas associações livres e na transferência realizada pelo psicanalista.

Uma descrição simplificada deste método é o paciente numa postura relaxada dentro do consultório do psicanalista, onde lhe será solicitado dizer tudo o que lhe vier à mente (sonhos, esperanças, desejos, necessidades, fantasias, tristezas, acontecimentos diários, história familiar, etc.); o analista faz uma escuta psicanalítica somente quando no seu entendimento profissional é visualizada uma oportunidade para que o paciente tome consciência dos conteúdos reprimidos que necessitam ser esclarecidos ao mesmo tempo proporcionando um ambiente seguro, sigiloso e acolhedor.

O resultado que se pode esperar deste processo é uma maior compreensão das ações e sentimentos, obtendo um autoconhecimento e um autocontrole. De posse de uma maior compreensão de si mesmo, o paciente tenderá a viver de forma mais consciente, visando a obtenção de uma melhor qualidade de vida para si, reduzindo muito as manifestações dos sintomas e sofrimentos antes vivenciados e promovendo mudanças positivas.

A psicanálise pode ser utilizada também como uma terapia de apoio nos casos de tratamentos de ordem psiquiátrica, não inviabilizando ou mesmo substituindo a necessidade do acompanhamento médico e medicamentoso. Por tratar-se de uma técnica de tratamento cujo maior recurso é analisar o indivíduo, ela é indicada para todas as pessoas que apresentem algum sintoma como, por exemplo: depressão, stress, impulsividade, sentimento de culpa, complexos, traumas, tristeza, dificuldades em função de relacionamentos em geral, sintomas corporais sem causas especificadas, obsessões, medos, crises de ansiedade, dificuldade de aprendizagem, problemas sexuais de origem emocional, pânico, transtornos de humor e de personalidade, uso abusivo de álcool e drogas, relacionamentos conjugais, dentre outros.

Atualmente existem vários estudiosos que complementaram e estenderam o estudo iniciado por Freud, como Melanie Klein, Winnicot, Bion, entre outros.

Palestras & Entrevistas

2017 – Univap
2013 – Tv Aparecida
2012 – Vanguarda
2012 – Tv Aparecida
2011 – Falando Nisso (Band)

Fechar Menu